Archive | Uncategorized RSS for this section

Dedilhado elementar de piano 2

piano2

Finalmente, depois de quase um ano de espera, 10 mil visualizações e agendas que não batiam, cá está a segunda aula de dedilhado elementar para piano com André Matos Moreira.

Nesse vídeo, André continua sua aula de dedilhado que visa ajudar a independência dos dedos e mãos para, com isso, melhorar o desempenho das passagens e velocidade de notas e acordes. Uma aula simples mas que tem resultados interessantes para quem a aplica corretamente.

[+] Dúvidas, sugestões ou comentário pbomtom@gmail.com

[+] Se inscreva em nosso canal Bom Tom http://www.youtube.com/user/canalbomtom

[+] Acesse e curta nossa fanpage no Facebook http://www.facebook.com/bomtomtv

[+] Facebook do Espaço da Música: http://bit.ly/espacodamusica

 

 

Advertisements

Resenha da eclética guitarra Gibson ES-335

Image

O que Neil Young, Marco Tulio (Jota Quest), Marcos Ottaviano (Blue Jeans), Mark Knopfler, Eric Clapton, Eric Johnson, Dava Grohl (Foo Fighters), Chuck Berry tem em comum? Todos tocam e são fãs do modelo Gibson ES-335, modelo semi-acústico com mais de 50 anos de história. E Simão Gandhy faz a resenha dessa bela e eclética guitarra.

A Gibson ES-335 é uma semi-acústica que tem partes ocas e um bloco solido no centro para reduzir a realimentação de som em altos volumes. É uma guitarra que tem fãs em vários estilos como no blues, rock, jazz. Tem voltado a aparecer com muita frequência em novas bandas devido ao visual retro que está em alta. As características sonoras desta guitarra são conhecidas pela sonoridade “doce” de som, um grave encorpado que conquista ouvintes de vários estilos.

[+] Dúvidas, sugestões ou comentário pbomtom@gmail.com

[+] Se inscreva em nosso canal Bom Tom http://www.youtube.com/user/canalbomtom

[+] Acesse e curta nossa fanpage no Facebook http://www.facebook.com/bomtomtv

[+] Facebook da Oficina das Cordas: http://www.facebook.com/oficinadascordasdourados

Ler, ver, ouvir

Antes que fiquemos sem música

CoolB4MD banner

Recentemente vi esse documentário Before the music dies (2006), dirigido por Andrew Shapter. Por mais que seja bom, com opiniões convincentes e pertinentes de muitos grandes cantores e produtores, eu o achei datado por tratar dos excessos da indústria musical norte-americana e seus enlatados, algo que já é sabido por todos. Por nivelar por baixo e produzir músicas e artistas/bandas seguindo roteiros e fórmulas prontas e com excessivos retoques em pós produção. Sem contar que fazem um apanhado do que é essa tal indústria, a criticam mas não apresentam soluções para que melhores cantores tenham mais espaço entre tantos pasteurizados.

Sola de sapato gasta de tanto rock’n’roll

dagata

Foto por Punto Aureo Estudio

Enquanto Tereréfonia, produzido por Toninho Porto, segundo álbum da banda Dagata e os Aluízios não fica pronto, para nossa alegria foi liberado um vídeo de bastidores da gravação do mesmo, em que a música mostrada é um versão crua de “Sapato gasto”, captada diretamente da caixa de som  pelo pessoal do pessoal do Punto Aureo Estudio, que está produzindo os vídeos. Um bom rock’n’roll com riffs de guitarra bem marcante.

Veja mais sobre Dagata no Bom Tom

Álbuns de jazz desse começo de ano

npr

No quesito música internacional, a NPR (National Public Radio) tem me servido de base para conhecer nomes de vários gêneros musicais que possivelmente não conheceria por muitas vezes não serem bandas/cantores conhecidos pelo grande público, mas não de menor qualidade musical. No começo de fevereiro, Patrick Jarenwattananon, jazzista e editor do A Blog Supreme, seção de jazz da NPR, selecionou 5 bons discos lançados nesse começo de 2014.

Clique no link e confira http://n.pr/1fQ0j4E

O fim da fidelidade musical

Rolling-Stone-LOGO-2

Essa reportagem O fim da alta fidelidade, por Robert Levine, lançada em 2008 na revista Rolling Stone até parece, nas devidas proporções, conversa que sempre tenho com o amigo Simão Gandhy durante as gravações do Bom Tom. Sempre falamos o quanto os arquivos em mp3 limam todas as nuances de uma música, fazendo com que percamos características preciosas de uma produção musical. E o quanto é gratificante e gostoso ouvir música em alta qualidade para que consigamos sentir melhor a dinâmica instrumental e vocal do que se ouve. E, claro, isso o mp3 e muito menos as caixinhas do pc do pc ou fones de ouvidos de má qualidade que encontramos por aí nos permitem tal qualidade.

No caso do texto da revista, o assunto foi mais aprofundado. Nos dá detalhes que confirmam essa nossa suspeita de baixa fidelidade sonora nos arquivos digitais, por utilizarem técnicas de compressão dinâmica “que reduz a diferença entre os sons mais altos e os mais suaves em uma música”. Como mesmo dito, uma “guerra sonora” que nos causa fadiga auditiva por nivelarem pelo alto (e isso não é bom!), no caso, nivelam pelo mais alto volume e perdendo definição. O trecho abaixo nos mostra um pouco disso que estamos falano.

Assim como os cds acabaram com o vinil e com as fitas cassete, o MP3 e outros formatos digitais estão rapidamente derrubando os CDs como a forma mais popular de se ouvir música. Isso significa mais conveniência, mas som pior. Para criar um MP3, o computador copia a música de um CD e a comprime em um arquivo menor, excluindo a informação musical que o ouvido humano tem menos probabilidade de perceber. Muita informação eliminada está nos extremos do espectro, por isso o MP3 parece não ter nuances. O produtor Rob Cavallo diz que os MP3s não reproduzem bem a reverberação, e a falta de detalhes torna o som “quebrado”. Sem sons graves suficientes, ele diz, “não há força. O som do bumbo da bateria diminui, assim como a forma como o alto-falante é empurrado quando o guitarrista toca um acorde mais forte”.

Leia a reportagem completa http://bit.ly/1hUqmgb

Bate-papo com Dagata (Dagata e os Aluízios)

Bate-papo com Dagata da banda Dagata e o Aluízios (Dourados-MS). Dagata, uma figura que vem fazendo história no rock’n’roll no Mato Grosso do Sul há muito tempo. Tanto que, antes mesmo de me tornar seu amigo alguns poucos anos atrás, já sabia de sua existência desde os idos de 2001, ano em que aconteceu o famigerado festival Forróck in Rio Verde, em (sic!) Rio Verde (MS), e sua banda alcançou o segundo lugar durante a competição nesse mesmo evento. Isso tudo apenas para atestar a sua antiga e constante contribuição ao cenário roqueiro do Mato Grosso do Sul.

Nessa conversa, falamos, por exemplo, sobre a dificuldade em encontrar um novo baterista para compor a banda, já que o baterista da formação original, Luizinho Abbadio Catelan, precisou se ausentar indefinitivamente por problemas de saúde; sobre as influências para o seu novo disco, já que entrarão em estúdio em duas semanas; e também, dentre outras coisas, papeamos sobre se a sua formação em História (Dagata é mestre e irá começar doutorado nessa matéria) exerce ou não uma grande influência em suas composições.

[+] Ouça o trabalho da Dagata e os Aluízios  www.palcomp3.com.br/dagataeosaluizios

[+] Dúvidas, sugestões ou comentário pbomtom@gmail.com

[+] Se inscreva em nosso canal Bom Tom http://www.youtube.com/user/canalbomtom

[+] Acesse e curta nossa fanpage no Facebook http://www.facebook.com/bomtomtv